Obra inacabada ameaça chegada das águas da Transposição à CG

O Ministério Público Federal (MPF) emitiu nota, nesta sexta-feira (31), sobre a Transposição na Paraíba e fez vários alertas a população sobre a água do Rio São Francisco que chega ao Estado. No comunicado, o órgão destaca que a falta de revitalização do rio Paraíba prejudica a sustentabilidade da condução da água até o açude de Boqueirão, que abastece Campina Grande e região.

“O assoreamento do rio Paraíba e outros fatores como evaporação, infiltração e captação irregular contribuem para dificultar ainda mais a chegada da água no açude de Boqueirão”, diz trecho da nota.

O MPF lembra a população que obra ainda não foi concluída e como ainda se encontra em teste, poderá levar riscos às pessoas. Um dos alertas é para que o paraibano evite banho ou a utilização das águas do ‘Velho Chico’ sem que antes tenha sido atestada por um órgão competente.

Confira nota do MPF

Tendo em vista os compromissos assumidos e não cumpridos na integralidade, durante reunião realizada no dia 8 de março de 2017, em Monteiro, entre órgãos envolvidos na transposição do rio São Francisco, eixo leste, meta 3L, e diante dos recorrentes desencontros de informações técnicas, o Ministério Público Federal (MPF) em Monteiro vem prestar esclarecimentos à sociedade e fazer alguns alertas:

1 – A obra da transposição na Paraíba não está concluída, estando em fase de pré-operação e testes;

2 – As obras de adequação necessárias nas barragens Poções, Camalaú e Boqueirão não foram concluídas, bem como não foram elaborados os planos de ação de emergência e/ou de contingência para acidentes;

3 – Ainda não há certeza técnico-científica acerca da qualidade da água, sem o devido tratamento, nos mananciais para consumo humano;

4 – Não existe clareza de informação acerca da vazão da água fornecida pela transposição que passa pelos canais e rio Paraíba, no Cariri paraibano;

5 – A irregularidade da vazão da água que percorre o rio Paraíba, especialmente no trecho Poções-Camalaú, aponta para a precariedade na gestão do sistema;

6 – A passagem da água por Monteiro e Camalaú, em vazão ainda desconhecida, e a suposta chegada da água em Boqueirão, não significarão a interrupção ou suspensão no racionamento d’água em curto prazo;

7 – A falta de revitalização do rio Paraíba prejudica a sustentabilidade da condução da água até o açude de Boqueirão, que abastece Campina Grande e região;

8 – O assoreamento do rio Paraíba e outros fatores como evaporação, infiltração e captação irregular contribuem para dificultar ainda mais a chegada da água no açude de Boqueirão;

9 – A vulnerabilidade da execução da obra pode trazer riscos à integridade física e psicológica da coletividade;

10 – Diante do cenário de incertezas, o MPF alerta a população para que evite banhos nos canais da transposição e no leito do rio Paraíba; não utilize água sem outorga dos órgãos competentes; não pratique atividades de extração mineral sem as devidas autorizações; e, em caso de rompimento de barragens ou canais, cumpra as orientações dos órgãos de defesa civil;

Por fim, o MPF em Monteiro informa que continuará na posição de alerta e adotando medidas a fim de compelir os órgãos a cumprirem as obrigações para plena execução do Projeto de Integração do Rio São Francisco (Pisf), de forma segura e efetiva.

Fonte: MaisPB

Tags: Transposição do Rio São Francisco, MPF, Paraíba, Rio Paraíba, Açude de Boqueirão



Comentários

Mundo

Mais Notícias

Brasil

Mais Notícias

Paraíba

Mais Notícias

Na Capital

Mais Notícias

Campina Grande

Mais Notícias

Municípios

Mais Notícias

Saúde - PB

Mais Notícias

Tecnologia

Mais Notícias

Política - PB

Mais Notícias

Esporte - PB

Mais Notícias

Entretenimento

Mais Notícias

Cultura

Mais Notícias

Festas

Mais Notícias

Policial

Mais Notícias

Casserengue Notícias

Mais Notícias

Futebol Casserengue